EDUARDO
FELDBERG

            Um cara cristão...
Meu Histórico Musical

        Admirador da Música e fã de instrumentos em geral desde criança, só iniciei meus estudos musicais aos oito ou nove anos de idade, com um professor de saxofone (Reginaldo Rodrigues). Lembro-me que, devido à pequenez de minhas mãos, tive que ficar por um bom tempo tocando clarinete e estudando os métodos Bona e Pozzoli. Com o tempo, descobri que não era exatamente esse o instrumento que me empolgava. Me apaixonei pela bateria, uma grande "paixão antiga". Durante os cultos, ficava sempre observando esse instrumento e prestando o máximo de atenção em cada movimento dos bateristas, para tentar imitá-los posteriormente. Observando, aprendi muitas coisas, principalmente com as oportunidades de tocar após os cultos ou durante às tardes, na bateria da minha igreja. Vendo meu desenvolvimento, minha mãe gostou (do desenvolvimento, não do instrumento! rs....) e me matriculou em uma escola de música em Pirituba, com o professor Melk. Me desenvolvi rápido e como a especialidade do professor era instrumentos de sopro, após cerca de 3 meses, parei as aulas e voltei a treinar sozinho.

        Por volta dos meus 14 anos, fui convidado para tocar bateria no grupo de louvor dos adolescentes de minha igreja, o saudoso “Salmistas”, e ali pude desenvolver melhor minhas habilidades no instrumento, sempre observando os outros bateristas, afinal, esta era minha única forma de aprendizado, além da prática. Mais ou menos nessa época, numa das visitas de meu amigo, quase homônimo, Eduardo Macedo (o famoso "Du"), me interessei pelo violão e ele me mostrou algumas batidas. Fiquei muito inspirado, e juntamente com a bateria, fui desenvolvendo a prática de violão. No início, minha mãe me ajudou, ensinando-me diversos acordes e corinhos antigos, que foram as primeiras músicas que toquei. Como minha mãe é pianista desde criança e sempre tivemos piano em casa, acabei dando uma fuçada e aprendendo o básico desse instrumento incrível, mas sem nunca me especializar.

        Por volta dos meus 18 anos, consegui um patrocinador para custear meus estudos num Instituto de Música na Freguesia do Ó, mas alguns desentendimentos pessoais com o professor (extremamente arrogante) limitaram meu período de aulas ali a meros 2 meses. Após isso, entrei em outros grupos de louvor e continuei tocando e aprendendo.

        Apenas em 2007 resolvi estudar música numa sala de aula, matriculando-me no Curso Técnico de Música do Conservatório Souza Lima, o único conservatório do Brasil com conteúdo supervisionado e aprovado pela Faculdade Berklee, considerada por muitos como a melhor e maior faculdade de música do mundo. A princípio, ia fazer o curso superior, porém, para concluí-lo, teria que passar o último ano do curso nos EUA e isso não estava nos meus planos. Optei pelo Técnico, que não tinha essa exigência, mas que tinha em sua grade as mesmas matérias do curso superior. Durante três anos, tive que ralar muito, pois como bolsista, minha média tinha que ser elevada e os conteúdos eram bem "puxados". Tive matérias como "Harmonia Popular", "Harmonia Tradicional", "Contraponto", "História da Música", "Fundamentos da Improvisação Moderna", "Arranjo Orquestral", "Análise e Regência", dentre outras, que me fizeram suar por seis semestres. Foram meses que valeram muito a pena. A única coisa que me arrependo é de não ter escolhido um instrumento harmônico para acompanhar meu curso (em vez de bateria), afinal, na bateria, não conseguia pôr em prática a maior parte do conhecimento teórico que me era ensinado e acabava esquecendo muitas lições. Foi motivado por este esquecimento que resolvi criar o minicurso de Teoria Musical disponível aqui no meu site. Primeiro, para que pudesse revisar tudo que aprendi durante aqueles três anos e segundo, para passar para vocês, caros visitantes, um pouco de Teoria Musical, visando aperfeiçoar seus conhecimentos!

"Que se apaixonem por Jesus ao estarem com você!"